Imprimir

Briga por Eletropaulo chega até a Europa - FONTE O GLOBO

FONTE O GLOBO 

Espanhola Iberdrola se queixa da italiana Enel no órgão executivo da UE

-SÃO PAULO- A disputa para a aquisição da distribuidora de energia Eletropaulo entre a italiana Enel e a Neoenergia, controlada pela espanhola Iberdrola, foi parar na Comissão Europeia, o órgão executivo da União Europeia (UE). Depois de ver suas propostas cobertas sucessivamente pelos italianos, na quartafeira a Iberdrola enviou carta ao órgão acusando a Enel de violar princípios da livre concorrência e de tirar proveito de posição monopolista, por ter como acionista majoritário o governo italiano. Ontem, em resposta, a Enel retrucou, também em correspondência ao órgão, que “a falta de substância de todas as alegações é bastante surpreendente para um documento desse tipo”.

Apesar da queixa da Iberdrola, a Enel voltou a subir ontem sua proposta pela Eletropaulo, para R$ 32,20 por ação. Foi seu terceiro “lance” no leilão em que se transformou a oferta pública para aquisição de ações (OPA) da distribuidora paulista. Na quarta-feira, a Enel já havia elevado sua oferta, para R$ 32, mas, poucas horas depois, a Neoenergia cobriu-a, com R$ 32,10 por ação.

Pagando R$ 32,20 por ação, a Enel teria de desembolsar R$ 5,4 bilhões para obter o controle total da empresa.

Além de ter seu lance coberto pela concorrente, na noite de quarta-feira a Neonergia viu o Conselho de Administração da Eletropaulo cancelar uma operação de capitalização da empresa, anunciada há duas semanas. A revogação desta oferta de ações era uma condição da Enel para validar sua proposta.

Entre os atrativos da distribuidora paulista, dizem analistas, estão o tamanho da sua concessão, que abrange a Região Metropolitana de São Paulo — o maior poder aquisitivo do país —, e a alta densidade de clientes por quilômetro quadrado.

Para o professor da UFRJ Nivalde de Castro, especialista no setor elétrico, a acirrada disputa pela distribuidora reflete o fato de o ativo estar barato, já que a Eletropaulo, enquanto foi controlada pela americana AES, “investiu pouco e acabou sucateando a sua rede”:

— A Eletropaulo tem uma concessão fantástica, que, se receber investimentos, é uma mina de ouro. Mas a AES trabalhou nos moldes do capitalismo americano. Seu objetivo era só pagar dividendos de três em três meses, sem pensar no longo prazo.

A Eletropaulo está entre as últimas colocadas no ranking de qualidade da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).